NOTÍCIA

Ap. César Augusto: Deus levantou uma geração apostólica

Bild könnte enthalten: eine oder mehrere Personen und Menschenmasse
 
Na manhã deste sábado (22), os participantes da Conferência Apostólica, realizada na Renascer Arena, receberam uma mensagem de fé do Apóstolo César Augusto, líder e fundador da Igreja Fonte de Vida.
 
No início da reunião, ele manifestou o seu carinho e gratidão pelo Apóstolo Estevam e pela Bispa Sonia Hernandes e os cumprimentou: “Na nossa caminhada, existem poucos amigos, porque os verdadeiros amigos são aqueles que estão conosco em todos os momentos, inclusive nas adversidades. E eu sou grato por sempre poder contar com eles. Este casal, para mim, é a maior referência que nós temos hoje de servos de Deus aqui no Brasil. Minha família e a Igreja Fonte de Vida tem muito carinho, respeito e admiração pelo Apóstolo Estevam, pela Bispa Sonia e pela Igreja Renascer em Cristo! É uma honra muito grande estar aqui!”.
 
Na sequência, ele leu o texto bíblico de Êxodo 3.4 e ministrou com base no tema “A Bênção Geracional de Deus”.
 
“Existem pessoas que são tomadas pela arrogância. Quando a perguntamos como elas aceitaram Jesus e quem as evangelizou, elas dizem: ‘Foi o Espírito Santo quem me chamou!’. Elas não conseguem andar debaixo de uma liderança ou de uma cobertura! Precisamos entender que o mover de Deus não nasce com uma pessoa. O mover de Deus começou antes da criação! Por meio do sacrifício de Jesus, o Senhor gerou um povo. Precisamos entender que Deus é um Deus de continuidade, de sucessão. Nós pertencemos a um exército, não somos soldados solitários. Não somos meros indivíduos, pertencemos a uma família. Nós recebemos um legado de gerações passadas, e nós temos a responsabilidade de transmitir este legado paras próximas gerações”, declarou.
 
“Em Êxodo 3, nós vemos o trabalhar de Deus na vida de Moisés. Ele precisava entender que ele tinha um Pai, que ele tinha pais e que ele era apenas a continuidade de um propósito! O Senhor foi enfático com ele: ‘Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó!’. Ele é Deus de gerações, de patriarcas de fundamentos sólidos. O Senhor queria mostrar que Moisés não estava sozinho naquela missão! Querido, você não está sozinho nesta missão, você está respaldado!”, acrescentou.
 
Em seguida, ele citou o exemplo do profeta Elias, que também entendia este conceito de sucessão. “Ele sabia que estava debaixo de uma linhagem geracional. Em um momento crucial de clamor e consagração, ele invoca o Deus de gerações: ‘Ó SENHOR, Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, fique, hoje, sabido que tu és Deus em Israel, e que eu sou teu servo e que, segundo a tua palavra, fiz todas estas coisas!’”, afirmou após citar 1 Reis 18.36.
 
Bild könnte enthalten: 1 Person, lächelnd
 
Filiação apostólica
 
O Apóstolo também disse que, infelizmente, por muito tempo, as bênçãos que eram passadas de geração para geração foram desprezadas nos tempos bíblicos, mas que Paulo resgatou este princípio de filiação. “Em 1 Coríntios 4.14, ele fala: ‘Não vos escrevo estas coisas para vos envergonhar; pelo contrário, para vos admoestar como a filhos meus amados! Porque, ainda que tivésseis milhares de preceptores em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; pois eu, pelo evangelho, vos gerei em Cristo Jesus.’. Paulo se levanta como pai! Ele mesmo afirma que existem muitos tutores, mas poucos pais! Deus está levantando uma geração apostólica. E esta geração não nasceu de tutores ou de movimentos, mas foi geradas por pais apostólicos!”, conscientizou.
 
Pais ou tutores?
 
Dando continuidade à ministração, ele explicou, à luz da Palavra, a diferença entre pai e tutor: “O tutor era aquele que exercia funções, mas não tinha o coração de pai! Era aquele que se apegava às posições, que desfrutava do trabalho daqueles que estavam abaixo deles, era centralizador! Mas, queridos, o pai é aquele que te ensina a alçar voos altos! Você vai sair desta conferência para voar alto e debaixo da bênção apostólica! O tutor alimenta os seus próprios projetos, o pai alimenta os projetos de Deus. O tutor visa os seus próprios interesses, o pai visa os interesses do Senhor. O tutor não quer que você se desenvolva, o pai te impulsiona e te incentiva. O tutor não corrige seus erros, o pai quer que você jamais cometa os erros que ele cometeu e te instrui! A bênção geracional é transmitida pelos pais! A Igreja Renascer em Cristo tem pai, não tem um tutor!”.
 
“Jesus também seguia este principio”, afirmou o Apóstolo. “Em João 14.11, Ele diz: ‘Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim; crede ao menos por causa das mesmas obras! Em verdade, em verdade vos digo que aquele que crê em mim fará também as obras que eu faço e outras maiores fará, porque eu vou para junto do Pai!’. Quem é filho tem direito à porção dobrada! Cristo está em nós, nós somos a continuidade do ministério d’Ele!”.
 
De Benoni para Benjamin
 
Outro exemplo do estabelecimento de paternidade citado pelo líder da Igreja Fonte de Vida foi o de Jacó e Benjamin: “Em Gênesis 35.16 a 18 está escrito: ‘Partiram de Betel, e, havendo ainda pequena distância para chegar a Efrata, deu à luz Raquel um filho, cujo nascimento lhe foi a ela penoso. Em meio às dores do parto, disse-lhe a parteira: Não temas, pois ainda terás este filho. Ao sair-lhe a alma (porque morreu), deu-lhe o nome de Benoni (filho das minhas dores); mas seu pai lhe chamou Benjamim (filho da minha força, da minha destra).’. Quando os judeus escolhem o nome de seus filhos, eles estão profetizando a personalidade futura deles. O tutor gera Benoni, mas o pai gera Benjamim. Nós não somos Benoni, somos Benjamin!”.
 
O Apóstolo enfatizou esta paternidade só pode ser exercida de maneira plena na instituição que Deus estabeleceu, a igreja: “Em Efésios 2.17, esta escrito:E, vindo, evangelizou paz a vós outros que estáveis longe e paz também aos que estavam perto; porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito. Assim, já não sois estrangeiros e peregrinos, mas concidadãos dos santos, e sois da família de Deus, edificados sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, sendo ele mesmo, Cristo Jesus, a pedra angular; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para santuário dedicado ao Senhor, no qual também vós juntamente estais sendo edificados para habitação de Deus no Espírito.’. Os fundamentos da igreja são os profetas e os apóstolos. Deus não age fora da igreja, mas na igreja e por meio da igreja! Nós somos várias tribos com vários pais, mas todos, juntos, trabalhamos para o mesmo objetivo: o estabelecimento do reino de Cristo aqui na terra!”.  
 
Bild könnte enthalten: 11 Personen, Menschenmasse und im Freien
 
Para finalizar, ele citou as caraterísticas dos filhos apostólicos. Acompanhe abaixo:
 
1- Dependência total do Senhor (Atos 17.25 a 28);
 
“Nele, existimos! Nele, vivemos! Nele, nos movemos!”, afirmou.
 
2- São comprometidos com a visão e com os propósitos de Deus (Efésios 3.1 a 12);
 
3- Resgatam os valores perdidos;
 
4- São restauradores (Isaías 61.1 a 9);
 
5- São instrumentos de cura e libertação (Hebreus 4.12, Isaías 55.11 e 13, Salmos 107.20 e Romanos 8).
 
 
Redação iGospel
Fotos: Fellipe Puppo, Sarah Brito e Karin Marcitello